;

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Aprendendo a criar mangás - Capítulo 10: Criando um roteiro simples e primeiros personagens

Antes de começar, já viram a parte 9? Eu recomendaria começar por ela porque foi lá que expliquei o reboot das postagens desses tutoriais e dei início a explicação de como criar a história do mangá. E vou partir do pressuposto de que você já organizou o que é falado lá, como o universo da sua história.
Essa postagem se parece bastante com o "capítulo 2" que fiz em 2012, mas dessa vez estou bem mais experiente e podemos dizer que essa é uma versão mais séria do conteúdo.
Vamos agora ao meu passo favorito e um dos mais importantes: montar a estrutura do roteiro simples e os primeiros personagens!

Eu chamo de roteiro simples aquele que serve de base para o começo da história. Ele vai alimentar sua história nos primeiros três capítulos, mais ou menos, que é a parte onde o autor apresenta para o público os personagens principais, o estilo da história e as primeiras impressões. Por isso, capriche!

Vamos começar logo porque eu já demoro muito para postar esses tutoriais.

Eu sempre repito os mesmos passos toda vez que vou criar uma história, então vou colocá-los aqui. Primeiro, vamos montar o tal roteiro simples:

Abra um editor de texto que você preferir, por exemplo, o Word. Você pode fazer isso à mão em um caderno também, porém não vai ter tanta liberdade para excluir e refazer algumas partes quando precisar. Fica a seu critério.

Digite uma frase que você acha definir sua ideia. Se estivesse criando Naruto, por exemplo, eu poderia ter escrito algo assim:

"Garoto desprezado corre atrás de seu sonho de se tornar respeitado"

Isso é bem simples, não é? É uma trama principal e pode ser aplicado a todo tipo de obra. Dá pra fazer um livro com isso, de 800 páginas ou 200. Dá pra fazer um poema ou um mangá. Quando estou andando por aí eu começo a ter essas ideias resumidas, como por exemplo "o último homem da Terra faz reflexões sobre sua vida" ou "oficial nazista orquestra plano para libertar prisioneiros". Coisas bem aleatórias mesmo.

Aí vem o que você já deve ter criado no passo anterior desse tutorial: o universo da história. Agora a sua frase vai ficar mais específica e é o momento de tornar sua historia única. Acrescente a temática, isso é importante. A frase ali em cima ficaria assim:


"Garoto ninja desprezado pelas pessoas a sua volta corre atrás de seu sonho de se tornar o líder da aldeia para ser respeitado"

E isso pode ser repetido mais vezes, deixando a frase maior e mais completa. No fim você pode perceber que fez um resumo da história. Se alguém perguntar sobre o que é seu mangá basta recitar a frase, viram? Se ajudar, imagine-se explicando sobre o que é o seu mangá pra alguém ou imagine-se fazendo um daqueles resumos que ficam na capa de trás ou orelha de um livro.

Antes de continuar, para poder especificar mais a sua história vamos para os primeiros personagens. (Minha parte favorita sempre).

O esquema para montar os personagens é o mesmo. Lembrando que você não deve encher o leitor com muitos personagens de uma só vez. Apresente o protagonista e seus melhores amigos. Um inimigo? Talvez. Vou falar sobre essa questão do inimigo daqui a pouco.
Ainda no editor de texto, digite isso:

  • Nome:
  • Personalidade:
  • Biografia:
  • Habilidades:
  • Cabelos:
  • Olhos:
  • Características físicas:
  • Roupas:

Aos mais preguiçosos eu gostaria de dizer que a seleção de texto é bloqueada aqui no blog, então você vai ter que digitar mesmo, me desculpe.

O nome não precisa vir agora, mas você pode identificá-lo com um nome genérico, geralmente vindo de um estereótipo desses estilos, como "melhor amigo do protagonista", o "o cara inteligente", o "gordinho engraçado", etc.
Quanto a cabelos e olhos, você pode se perguntar: mangá não é em preto e branco? Sim, é em preto e branco e provavelmente você nunca irá colorir seus personagens tão cedo (pense nisso apenas se fizer capas). Mas essa é a forma de transferir para um registro o modo como você imaginou seu personagem. É melhor até fazer isso antes de desenhar, porque você já vai para o papel sabendo o que fazer
Nas características físicas e roupas não é preciso descrever todo o personagem. Coloque coisas que são marcantes como "coque no cabelo", "cicatriz na bochecha", "pele morena"... Isso contribuiu com as informações anteriores para formar a imagem do personagem. Assim ele possuirá uma característica única que vai diferenciá-lo dos demais.
Quer ver algo curioso? Vou mostra uma silhueta e vocês tentam adivinhar quem é:




Perceberam como um personagem se torna icônicos com algumas características? Principalmente o cabelo.
Uma dica: não exagere demais em detalhes, lembre-se que você terá que desenhar isso muitas vezes por várias páginas, então pode ficar bem cansativo.
Ah, fazer uns rascunhos do design do personagem enquanto faz essas descrições é bem legal também. Ajuda bastante.

As habilidades exigem uma atenção especial. Como eu disse no capítulo 2 dessa série de tutoriais você não precisa colocar todos os poderes que quer no personagem logo de cara. O legal é ver os personagens ficarem cada vez mais fortes conforme vão enfrentando mais inimigos e amadurecendo. Dê uma olhada nas listas de poderes que postei aqui no blog se precisar de ajuda.




Em personalidade você deve colocar palavras simples para identificar o método do seu personagem agir: "preguiçoso", "nervoso", "sério"...

O típico preguiçoso

Aí vem a biografia. Essa é outra parte que você não deve manter tanto o foco agora. A menos que seja o protagonista, aí sim, porque a história depende disso. É claro que você não vai ter que registrar desde o nascimento do personagem e contar detalhe por detalhe de sua vida, mas é legal já deixar preparado alguns acontecimentos da infância e juventude (depende da idade de seu personagem) mesmo que você não vá mostrá-la tão cedo. Faça um breve resumo, de uma quatro linhas no máximo. Está bom por enquanto. Essa biografia vai se desenvolver junto com a história.

Existe uma palavra chave na hora de montar um roteiro: planejamento. Cuidado ao sair escrevendo desenfreadamente porque pode chegar uma hora onde você vai tropeçar na sua própria história. É claro que se for um one-shot (mangá de um único capítulo) ou uma historinha curta não é preciso fazer um planejamento imenso.
Quando fui criar uma de minhas primeiras histórias eu tinha vontade de jogar todas as minhas ideias lá. Tinha a ideia e na mesma hora já estava empurrando na história. Isso é péssimo. Chegou um dia onde eu quis inserir um pai para o protagonista e... já era. Eu já tinha colocado o avô e nessa época nem pensava em colocar o pai. Acontece que a falta de planejamento me atrapalhou com as idades. Isso porque meu protagonista tinha 20 anos e o avô 50, ambas as idades já mencionadas na história. Se você fizer as contas vai perceber meu erro: se o avô tivesse seu filho quando tinha 20 anos, então para que desse tempo do protagonista nascer o pai teria que tê-lo tido com 10 anos! Mesmo se eu equilibrasse, 15 e 15, iria ficar estranho.
Ok, eu não pensava em colocar um pai no começo da história, mas deveria ter pensado que existe um pai, aparecendo ou não, então sua idade teria que estar incluída desde o começo quando resolvi impor idades para meus personagens. Não sei se minha explicação ficou meio confusa, mas é isso.

Eu recomendo ter pelo menos uns sete personagens prontos antes de começar a história.

Agora... como começar? Gostaria de dar um conselho: o começo é a parte mais difícil, mas não desanime.
Você pode ter um milhão de ideias mas é muito difícil passar isso para as outras pessoas de forma suave e que elas entendam. Você tem que estar sempre pensando que a pessoa não pode ler sua mente, então tudo que você for mostrar na sua história tem que ficar muito claro, tem que fazer sentido para todos.
Com aquele resumo em mãos eu sugiro que você se sente em um computador, máquina de escrever ou com lápis e caderno e escreva o roteiro do primeiro capítulo com muita calma. Ele é MUITO IMPORTANTE! Vou falar sobre começar o primeiro capítulo no próximo tutorial. 

Antes queria esclarecer mais algumas coisas sobre a idealização do roteiro. Você deve criar uma trama principal para sua história seguir. Se o seu mangá for curto essa trama pode durar até o final, não tem problema, basta alimentá-la sempre com novas ideias para não ficar chato.  
Mas se seu mangá for grande é bom inovar. Porém, cuidado! Existem duas coisas que podem atrapalhar um pouco com tramas de mangás grandes:
Insistir na mesma trama sem inová-la. Imagine só que saco seria acompanhar um mangá que nunca muda a história, que fica na mesma sempre. Uma hora você já ganha a habilidade de saber o que vai acontecer de tão óbvio que as coisas ficam.
Mudar a trama drasticamente. Esse segundo problema era para ser uma solução para o primeiro. Sua história está começando a ficar chata e repetitiva e de repente você faz uma reviravolta maluca e tudo muda. Cuidado com isso. Imagine que chato seria ter uma historia que, apesar de cansativa, estava chegando em um ponto interessante e inexplicavelmente os personagens passam a mudar seus ideias, objetivos e começam a fazer coisas diferentes. Por exemplo: sua história é sobre caçadores de fantasmas, eles começam a enfrentar tantos fantasmas que não tem mais graça. Aí você insere alienígenas e do nada os caçadores viram defensores espaciais.
Existe o mundo das obras narrativas um termo chamado plot twist, usado justamente para manter a atenção. O plot twist é uma mudança radical na história  para algo geralmente inesperado. Use-o com moderação e preste atenção no que está fazendo para não ser radical demais, como foi no exemplo acima. Um plot twist legal com o exemplo seria se, vamos ver, os caçadores de fantasmas descobrissem que há um Rei Fantasma e ele está tentando dominar o mundo. Então eles passariam a caçar esse Rei Fantasma. Viram como eu mudei o rumo de "simples caçadas" para uma "aventura épica" atrás de um vilão? É como se eu desse um novo rumo mais emocionante à história.

Falando em vilão, vou falar um pouco dele. Antagonistas são essenciais para o desenrolar da história, principalmente aquele que é a maior pedra no sapato dos mocinhos. O grande vilão, vamos chamá-lo assim, é o último obstáculo a ser enfrentado, lá no final da história. Então para quê se preocupar com ele agora? Tenho planos de fazer um tutorial só sobre vilões, porque acho essa parte magnífica, então vou me resumir aqui.
Sugiro que, pelo menos nos primeiros capítulos, o obstáculo aos protagonistas seja um pouco menor. Crie um "vilão de um capítulo", alguém que vai surgir, triunfar por um momento e depois vai perder. Desse jeito você já vai mostrando os poderes do seu protagonista.

Ao fim desse capítulo você já sabe como criar um universo, o tempo da história, uma trama e os primeiros personagens. Já dá pra escrever algo!

Como tudo isso depende de sua imaginação e seu esforço o máximo que posso fazer é isso, guiá-los aos pouquinhos!

Vou ficando por aqui e prometo que se a faculdade me der tempo eu farei a continuação o mais rápido possível. Como eu disse, no próximo tutorial espero falar mais sobre como começar a escrever o roteiro dos primeiros capítulos e, se tudo der certo, pretendo falar também sobre como criar uma rotina (porque fazer mangá dá um trabalho absurdo!). 
Espero que tenham gostado. Comentem o que acharam e não se esqueçam de divulgar!

Até a próxima postagem!
Comentários
10 Comentários

10 comentários:

  1. Legal! To sempre aki no seu blog, muito show. Mas falando sobre o vilão principal, o "grande vilão", em que capítulo ele poderia aparecer pela primeira vez?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso depende muito do tamanho da sua história. Se você não tem ideia de qual tamanho ela terá uma boa ideia é colocá-lo após alguns capítulos (quando você perceber que já introduziu todo mundo). Desse jeito você terá mais opções: fazer ele sumir depois de ser derrotado e depois aparecer triunfante no final ou desenvolver ele mais um pouco mostrando como ele fica mais poderoso (assim como o protagonista), por exemplo.
      Se tiver mais dúvidas pode perguntar a vontade! Obrigado por ler o blog!

      Excluir
  2. Legal, mas tenho uma pergunta: Em que capítulo mais ou menos o "grande vilão" deve aparecer pela primeira vez?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não manjo como o Phos, porém acho que ele deve ser mostrado no segundo capitulo só que sem ser como um vilão e que ele tenha um contato positivo com o protagonista e depois de alguns capitulos o verdadeiro vilão é ele daí tem todo aquele e não sei o que e pá e pum das ideia e tal

      Excluir
  3. Phos, meu mangá começou assim: "O protagonista e seu irmão estão em um bar, um criminoso da região entra e tenta assaltar o bar, os dois levantam e reagem e rapidamente com seus poderes o derrotam, saem do bar e vão á procura de poder e de vingança contra seu pai" Ficou light, isso eu sei, porém ficou boa para um desenrolar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fica ótima para desenrolar. Se esses irmãos entrarem em uma jornada atrás de vingança você pode mostrá-los evoluindo seus poderes com o passar do tempo, também pode ir explicando melhor para o leitor o que motivou essa vingança, adicionar alguns personagens que criam grandes mudanças, como por exemplo uma separação temporária dos irmãos, interesses amorosos que podem surgir, essas coisas.

      Excluir
  4. Legal as dicas. Blog e muito bom. Recomendo continuar dandodicas de mangas. Muita gente procura.

    ResponderExcluir
  5. I aí phos ! Meu nome e Lukas eu tive uma grande ideia para um manga e preciso de dicas .Como eu posso levar essa ideia para as bancas

    ResponderExcluir
  6. I ai Phos ! Meu nome e Lukas eu tive uma boa ideia para um manga e preciso de dicas. Como posso levar essa ideia para as bancas ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A melhor forma é você produzir alguns capítulos e participar de feiras onde alguns autores apresentam suas obras e certas editoras estão lá pra ver. Aqui no Brasil não é tão comum, você teria que pesquisar bem pra achar a mais próxima de você.

      Excluir